Improvisación, JE Zapata Garcés

Mulheres, costumbrismo, hispanismo e caráter nacional em Las mujeres españolas, portuguesas y americanas

Edméia Ribeiro | Biografía
Universidade Estadual Paulista
Share:

Resumen

Este artigo apresentamos e problematizamos a coleção Las mujeres españolas portuguesas y americanas, publicada na década de 1870 na Espanha. Esta publicação foi composta por três volumes de textos abordando espaços territoriais na Espanha, América e Portugal e por litografias, e fez uso da simbologia feminina para representar tais espaços. Esta coleção foi moldada pela estética costumbrista, gênero que se destacou por descrever tipos sociais, hábitos, costumes e tradições. Sobre a temática feminina, partiu-se do pressuposto de que imagens idealizadas de mulheres foram utilizadas para tocar os imaginários sociais pelo que representavam –amor, submissão, honra, fecundidade, educação, abnegação– e também. como símbolos dos novos tipos sociais que surgiam em cena nos espaços nacionais que se configuravam perante as transformações européias. O hispanismo, discurso ideológico pautado nas experiências comuns e espírito espanhol, permeou toda a publicação. Por fim, tomou-se como também como hipótese que tanto a linguagem textual como a iconográfica localizaram e salientaram elementos formadores das sociedades espanholas, revelando origens, tradição, peculiaridades e singularidades desses povos –sob o signo feminino– que remetiam à problemática do caráter nacional espanhol.

Referencias

Arias Solis, F. Amos De Escalante. Disponível em . Acesso em: 06 out. 2008.

Aguado Hicón, A. M. [et al]. (1994). Textos para la historia de las mujeres en España. Madrid: Ediciones Cátedra, S.A.

Artola, M. (1983). La burguesía revolucionária (1808-1874). Madrid: Alianza Editorial.

Baczko, B. (1985). Imaginação Social. In: Enciclopédia Einaudi, vol. 5, Antropos-homem. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa da Moeda.

Bastos, E. R. (2003). Gilberto Freyre e o pensamento hispânico: entre Dom Quixote e Alonso El Bueno. Bauru, São Paulo: Edusc..

Beired, J. L. B. (2006). Hispanismo: um ideário em circulação entre a Península Ibérica e as Américas In: VII Encontro Internacional da ANPHLAC, Campinas. Anais do VII Encontro Internacional da ANPHLAC.

Benjamin, W. (1994). Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre a literatura e a história da cultura. SP: Brasiliense. (Obras escolhidas; v. 1)

Blanc, C. (1947). Gramatica de las artes del dibujo: arquitectura, pintura, escultura, grabado, aguafuerte, xilografia, litografia, aguatinta, medallas, camaieu. Buenos Aires: Editorial Victor Lerú.

Calderon, E. C. (org). (1951). Costumbristas españoles. Autores correspondientes a los siglos XIX e XX. Tomo III. Madrid: Aguilar S. A de ediciones.

Capelato, M. H. R. (2003). A data símbolo de 1898: o impacto da independência de Cuba na Espanha e Hispanoamérica. In: Revista História. São Paulo, V. 22, n.2. pp. 35-58.

Carvalho, J. M. (1990). A formação das almas: o imaginário da República no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

Fraisse, G. e Perrot, M. (1991). Introdução: ordens e liberdades. In: Duby, G. e Perrot, M. (orgs.) História das mulheres no Ocidente: o século XIX. Tradução de Cláudia Gonçalves e Egito Gonçalves. Porto: Edições Afrontamento; São Paulo: Ebradil. 4 vol. Pp. 9-10.

Graça, R. S. (1993). Breve história da litografia: sua introdução e primeiros passos em Portugal. Portugal: a litografia de Portugal.

Hartog, F. (1999). O espelho de Heródoto: ensaio sobre a representação do outro. Tradução Jacyntho Lins Brandão. Belo Horizonte: editora UFMG.

Hobsbawm, E. e Ranger, T. (orgs.). (1984) A invenção das tradições. Trad. Celina Cardim Cavalcanti. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Hobsbawm. E. J. (2004). A nação como novidade: da revolução ao liberalismo. In: Nações e nacionalismo desde 1780: programa, mito e realidade. Trad. Maria Célia Paoli e Anna Maria Quirino. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Jover Zamora, J. M.; Gómez-Ferrer Morant, G.; Fusi Aizpúrua, J. P. (2001). España: sociedad, política y civilización (siglos XIX-XX). Madrid; Areté. Lagarrigue, J. Positivismo y catolicismo. Disponível em: Acesso em: 15 dez. 2008.

Leite, D. M. (1992). O caráter nacional brasileiro: histórias de uma ideologia. São Paulo: Ática.

Mendes, R. T. (1931). Sobre a preeminência moral e social da mulher de acordo com o positivismo. Rio de Janeiro: Sede Central da Igreja Pozitivista do Brazil.

Michaud, S. (1991). Idolatrias: representações artísticas e literárias In: Duby, G. e Perrot, M. (orgs.). História das mulheres no Ocidente: o século XIX. Tradução de Cláudia Gonçalves e Egito Gonçalves. Porto: Edições Afrontamento; São Paulo: Ebradil. 4 vol, p. 145.

Ortega, Marie-Linda (2005). Algunas noticias del editor madrileño Miguel Guijarro y de sus colaboraciones con Francisco Ortego. In: Devois, Jean-Michel (ed.): Prensa, impresos, lectura en el mundo ibérico e iberoamericano contemporáneo. Homenaje a Jean-François Botrel. Presses Universitaires de Bordeaux. Pp. 151-163.

Pastoureau, M. (1997). Dicionário das cores do nosso tempo: simbólica e sociedade. Tradução: Maria José Figueiredo. Lisboa: Editorial Estampa.

Pérez Montfort, R. (1992). Hispanismo y Falange: los sueños imperiales de la derecha española. México: Fondo de Cultura Econômica.

Prado, M. L. C. P. (2009). Uma introdução ao conceito de identidade. In: Barbosa, C. A. S. y Garcia, T. C. (orgs.). Cadernos de Seminário Cultura e Política nas Américas – Volume 1.

Ribeiro, J. A. C. L. (1907). Tratade de Armaria (technica e regras do Brasão D’Armas). Lisboa: Empreza da Historia de Portugal. Sites consultados Técnicas litografia. Disponível em: . Acesso em: 14 maio. 2004. Costumbrismo (artículo de costubres). Disponível em: Acesso em: 10 out. 2008.
Cómo citar
Ribeiro, E. (2013). Mulheres, costumbrismo, hispanismo e caráter nacional em Las mujeres españolas, portuguesas y americanas. Ciencias Sociales Y Educación, 2(3), 17-31. Recuperado a partir de http://udem.scimago.es/index.php/Ciencias_Sociales/article/view/811

Send mail to Author


Send Cancel

Estamos indexados en